GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL

Nós Ikpeng praticamos a gestão ambiental e territorial conforme o conhecimento tradicional dos nossos antepassados que foi sendo transmitido de geração para geração. Fazer a gestão é planejar todos juntos como usar os recursos naturais e proteger o território.

Na GESTÃO AMBIENTAL temos que fazer o manejo das roças, das plantas da nossa medicina, das árvores que usamos para construir as casas e das frutíferas, como também da caça e da pesca para que não acabem. Um exemplo é a pesca coletiva wotkurunta (chamada de timbó). Desde há muito tempo, os mais velhos acordam bem cedo e organizam com os jovens em que lagoa vão pescar. Saem para a mata um dia antes cortar o inat, um tipo de cipó usado para adormecer os peixes. Há uma reza que o pajé faz para o wotkurunta quando já estamos na lagoa e vamos começar a bater o timbó na água: “Amero, pewano” (Morram, morram).

Todos os homens batem o timbó na água da lagoa e dali algumas horas os peixes começam a boiar. As mulheres e as meninas pescam com puxá enquanto os homens pescam com flechas. Como se mata muito peixe temos que esperar um ano para voltar a pescar naquela lagoa. Essa é uma forma de gestão da pesca que praticamos há muito tempo.


Na GESTÃO TERRITORIAL temos que fiscalizar os limites do território para protegê-lo dos invasores, que podem ser madeireiros, ou pescadores de pesca esportiva. Temos também que lutar contra o desmatamento das cabeceiras dos rios, do uso de agrotóxicos nas fazendas do entorno e da construção de barragens que poluem os rios e assim põem em risco a nossa água e nossa principal fonte de alimentação. Hoje em dia acrescentamos à nossas técnicas tradicionais algumas práticas e a tecnologia dos não-índios.

Desenho: Irwa Orong s/credito