Ikpeng

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO IKPENG - A BASE DE DADOS

‘Origem do Mundo: encontre as palavras’: Ukpamtowonpïn: ugwa witpot


A Base de Dados Ikpeng,  que faz parte do Projeto Mawo – Casa de Cultura Ikpeng, foi concebida com os professores da escola Amure, respeitando o modo de pensar ikpeng. O trabalho teve o envolvimento direto ou indireto de vários membros da comunidade. Foi desenvolvido como parte do treinamento da equipe que vai operar a Base de Dados, sob a supervisão de professores Maiua e Yakuna. Vários membros da comunidade, especialmente os mais velhos – que são os maiores conhecedores da língua - foram constantemente consultados.

“É um recurso que, por meio das informações que irá reunir, possui vasto potencial para apoiar projetos culturais da MAWO e também  como o apoio pedagógico e para-didático às atividades da Escola Indígena, ou ainda como suporte a projetos de gestão ambiental e manejo da biodiversidade local.”

Os mecanismos de busca foram construídos primeiro na língua ikpeng para depois serem traduzidos para o português. Além do material histórico sobre a comunidade, a base de dados digital reunirá toda a produção realizada pelos próprios Ikpeng, como filmes, fotos, gravações de áudio, produção de livros e desenhos. Seu objetivo é tornar-se uma ferramenta de pesquisa e de fortalecimento cultural.

Para garantir que esse instrumento expressasse a visão de mundo dos Ikpeng, a construção se deu a partir de discussões realizadas em língua Ikpeng, a fim de, primeiramente, definir grandes temas a partir dos quais seu universo e sua cultura poderiam ser descritos:

Kawo: Relativo ao tempo (cronológico e meteorológico);
Naplïngo: Relativo às coisas (de uso individual);
Orem: Relativo aos rituais (festivos, de pesar ou de guerra);
Otxit: Relativo à aldeia e ao território.

Dentro do universo definido por esses grandes temas (ou grandes categorias), foram reunidos os termos que comporiam a base do vocabulário, buscando sempre garantir que esses tivessem aplicação aos conteúdos que a base deve reunir.

Ainda na primeira fase dos trabalhos, a operacionalização da base de dados já está em curso, com a reunião de conteúdos produzidos pelos próprios Ikpeng.

Os Ikpeng estão agora solicitando às diversas pessoas e entidades envolvidas com o estudo da língua e da cultura ikpeng que cedam documentação (textos, relatórios, teses, fotos, filmes, material em áudio e vídeo) para compor a base.

O Projeto de Documentação das Línguas e Culturas Indígenas (PRODOCLIN), do Museu do Índio e a Associação Ikpeng (AIMCI)  assinaram um acordo de cooperação que vem potencializar o trabalho que está sendo realizado.

“Para nós, a Mawo é um ponto de encontro do novo com a tradição. Escolhemos esse nome para homenagear uma das filhas dos nossos criadores, Rinkawo e Kapulik”, explica o professor indígena Maiua Ikpeng.


A equipe da Base de Dados Ikpeng:
Maiuá Ikpeng e Yakuna Ikpeng (supervisão)
Oreme, Papru, Tapanpo e Txiwugu Ikpeng (colaboradores)
Osvaldo ‘Ogom’ Gomes (facilitador)
Mari Corrêa e Kumaré Ikpeng (coordenação)

Foto: Christian Knepper