APRENDIZAGEM TRADICIONAL

Como ensinamos e aprendemos

Na educação Ikpeng os mais velhos acordam de madrugada para aconselhar os filhos, netos e genros para trabalhar, pescar, sustentar a família da sogra, e assim programam as atividades diárias, de dentro da casa.

Por isso nossa equipe de fiscalização se chama Pïrino. Monitoramos e vigiamos o nosso território para proteger a nossa cultura, o meio ambiental, a fauna e a flora porque percebemos que cada vez no entorno da Terra Indígena do Xingu vem acontecendo desmatamentos nas cabeceiras e nascentes dos rios, extração de madeira, invasão territorial, caça e pesca ilegal e plantio da soja com produtos tóxicos próximo da Terra Indígena do Xingu (TIX) .Para isso realizamos ao menos duas expedições por ano no entorno da TIX, entre os rios Batovi e Ronuro e entre os rios Steine e Arraia.

Antigamente morávamos todos numa mesma casa e de madrugada acordávamos para ouvir a mãe ou o tio falar. Todos prestavam muita atenção, pois eram os ensinamentos sendo transmitidos: os termos de parentesco, as regras de derrubar e de fazer roça, como construir casa, como se cuidar para não ficar magro, para não ter tumor, para não se afogar, para não ser pego pela onça, para não levar picada de cobra e nem ser enfeitiçado. Assim as crianças e jovens eram educados com carinho. Hoje em dia não têm sido feito assim, pois estamos espalhados, morando em várias casas.

O aprendizado se dá por observação, vendo o que o mais velho faz, e só depois é que se pratica. É importante ficar perto do mais velho e prestar atenção para aprender a cantar as músicas e a tocar as flautas. Dançar, estar animado e trabalhar em conjunto também são formas de aprender. A educação ideal ocorre junto ao avô e a avó, pais e mães, na ausência deles se deve ouvir a palavra de outras pessoas mais velhas. Por isso a importância de estar sempre junto, para que o conhecimento não se perca.

Antigamente realizávamos o trabalho todos juntos, que chamávamos kwak kwak txiktxi. Atualmente os jovens se organizam para o resgate dessa prática, porém muito ainda deve ser conversado. O trabalho vem da vontade própria, ninguém manda ninguém fazer nada, por isso é através da pesquisa de como são as regras do trabalho coletivo que se espera que os jovens aprendam.

Foto: Mari Corrêa